skip to Main Content
Dependência Emocional: Aprenda A Reconhecê-la E Como Buscar Ajuda

Dependência emocional: aprenda a reconhecê-la e como buscar ajuda

“Não consigo viver sem essa pessoa”. Em algum momento da vida, você já deve ter falado isso ou até mesmo ouviu essa frase de alguém. Quando falamos de dependência emocional, é muito comum relacionar o apego aos sentimentos de amor e amizade.

E isso pode ocorrer em relações românticas, entre pais e filhos e até mesmo amizades. Normalmente uma relação de dependência é embasada no amor, sim, mas o sentimento tem um fundo patológico, transferindo para o outro toda sua fonte de felicidade. Ou seja, o dependente só consegue se sentir pleno tendo aquela determinada pessoa em sua vida.

Só que relações assim fazem mal, já que nem sempre teremos aquela pessoa conosco. O problema é que dificilmente alguém com dependência emocional consegue enxergar isso e buscar ajuda. “A pessoa cria barreiras para situações que trariam benefício e desenvolvimento à vida dela e demora muito para enxergar que fez isso”, ressalta Cristina Borsari, psicóloga da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. Por isso é muito comum ver pessoas em relações longas e falidas, achando que aquela situação é normal e com medo de reconhecer que ali tem um problema.

Como reconhecer a dependência emocional nas relações

Um dos processos mais difíceis nesse tipo de relação é perceber que há, de fato, algo nocivo. Geralmente relações de dependência acontecem com as pessoas mais próximas da nossa vida e se misturam com amor e carinho. Mas lembre-se: sempre está relacionada a algo ruim, já que a pessoa dependente cria expectativas irreais e por isso sempre se sente triste ou deixada de lado pelo outro, ou então age de forma possessiva, não deixando o outro exercer sua individualidade e ter vida fora do relacionamento.

“A relação com alguma dependência sempre vai ser algo prejudicial. Também pode haver traços tóxicos e abusivos nesse relacionamento”, explica Natalia Pavani, psicóloga do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. A especialista reforça ainda que é um padrão de comportamento que remete muito à intensidade, no qual a pessoa acha que não tem força para sair daquela situação ou até que não vai aguentar caso rompa com determinado indivíduo.

E perceber que aquilo não está sendo saudável e que está causando mais sentimentos ruins do que respostas boas pode demorar meses e até anos. Um dos sinais mais evidentes é quando a pessoa tem um sofrimento constante, com crises de choro excessivas, inseguranças, dúvidas e brigas. Se isso ocorre sempre, vale procurar ajuda de uma pessoa em que confia para se abrir ou procurar tratamento com um terapeuta.

Tipos de dependência

Nos relacionamentos amorosos

É muito comum que a dependência emocional seja percebida quando o amor não existe mais: só há brigas, xingamentos, discordâncias e um dos lados, ou mesmo ambos, não consegue sair daquilo por medo de ficar sozinho ou não achar mais a pessoa da sua vida. “Uma das frases mais comuns é ‘eu só fico bem com ele (a)'”, diz Borsari.

A pessoa dependente sofre que o parceiro tem outras facetas e experiências em sua vida fora do relacionamento. E pode até mesmo tornar isso uma cobrança para a outra pessoa. Além disso, é muito comum idas e vindas, e no primeiro momento de fragilidade, procurar o parceiro, se apegando as coisas e sentimentos do passado.

Nas relações parentais

Embora a dependência seja vista muito como uma relação entre casais, ela também pode ocorrer, e muito, entre pais e filhos. Um dos exemplos mais comuns é quando os pais querem ou só vivem a vida filho e depositam nele todo seu bem-estar, não respeitando sua individualidade.

Chega a ser sufocante, nocivo e uma relação muito dura. No caso dos pais, deixar o filho viver por si é muito doloroso e pode chegar a ter situações de chantagem emocional para impedir que ele saia da asa dos pais.

Nas relações de amizade

Normalmente a dependência emocional em amizades ocorre quando há muito ciúmes daquele amigo com outras pessoas. O amigo dependente quer atenção apenas para si e não aceita que o outro tenha outros laços importantes. Com o tempo, isso pode evoluir para uma amizade que não agrega mais nada.

Muitas vezes essa amizade pode evoluir para algo mais tóxico, em que uma das partes só coloca a outra para baixo, não valoriza suas conquistas, o que sempre acaba deixando o outro mal.

Como procurar ajuda

É válido procurar uma pessoa próxima, em que você possa confiar, para se abrir e dizer como está se sentindo em determinada relação. O melhor é alguém que não faça julgamentos, e sim que dê um posicionamento e uma visão de fora sobre o que você está relatando. Dessa forma, você terá uma segunda opinião para falar que determinada impressão não é a coisa da sua cabeça e por que sair daquilo.

Outra iniciativa é procurar ajuda com um terapeuta para buscar respostas nessas relações e por que há ou houve uma dependência. Muitas vezes, o profissional pode enxergar e alertar indícios de autoestima baixa, tristeza ou depressão.

E mais importante: o psicólogo irá proporcionar mecanismos para não haver novos ciclos e recaídas com a pessoa do relacionamento. “Algumas relações podem até voltar ou as pessoas se darem bem no futuro, mas isso precisa acontecer depois de um processo muito longo e, principalmente, de muita maturidade. Por isso é importante perceber que existia, sim, uma dependência, mas há cura e que você pode ser sua melhor companhia”, finaliza Borsari.

 

Fonte: UOL

 

ATENDIMENTO PSICOLÓGICO E NEUROPSICOLÓGICO PRESENCIAL E ONLINE

Aqui você recebe atendimento psicológico referência em Mogi das Cruzes para crianças, jovens e adultos. Clique aqui para agendar via Whatsapp ou ligue no (11) 9.5787-2812 (TIM).

*As informações aqui contidas tem caráter informativo. Não substituem a orientação ou acompanhamento de um psicólogo.

Dr. Bruno Moraes

Pós Graduado em Neuropsicologia pela FMUSP.

Você atualmente, atua ou mente?

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Estou online